Jornada Nacional de Lutas, Brasília, 24/08/2011

Reunião do Soviet de Petrogrado em 1917

A Revolução Russa: expressão mais avançada de uma onda revolucionária mundial.

Diretas Já

Luta por dias melhores

terça-feira, 18 de julho de 2017

Luiz Antonio monta sua equipe. E aí, Bayeux???



Na manhã de18 de julho de 2017, no auditório do CEFOR, em cerimônia muito concorrida, o novo prefeito de Bayeux, Luiz Antonio (PSDB), anunciou e empossou sua nova equipe de secretários e secretárias, que o ajudarão a governar Bayeux daqui por diante. Segundo ele, "a cada seis meses o trabalho dos secretários será reavaliado" (site da prefeitura). Isso se deve, ainda segundo Luiz Antonio, ao fato dele vir da "iniciativa privada e pretendo implantar no município uma gestão de resultados, por isso se faz necessário uma reavaliação semestral" (idem). Ele também afirmou, durante a posse do novo secretariado, que nesta quarta-feira, 19 de julho, se reunirá com todos/as, onde serão estabelecidas as metas para os primeiros 180 dias de novo governo.
Antes de tratarmos das primeiras falas do novo prefeito de Bayeux, avaliaremos os nomes por ele escolhidos para sua equipe de governo.
Luiz Antonio escolheu 31 nomes de 18 secretarias. Desses nomes, 8 são de mulheres e o restante de homens. 12 nomes (38,7%) da equipe do antigo prefeito, Berg Lima, foram mantidos, enquanto Luiz Antonio escolheu 19 novos nomes. Pelo menos esse blogueiro reconhece dois desses novos nomes como sendo extremamente ligados ao ex-prefeito Expedito Pereira (PSB): a ex-vereadora Célia Domiciano (DEM), indicada para ser secretária da Mulher e o secretário adjunto de Planejamento, Ciência e Tecnologia, Zades Lira. Se houver mais algum outro nome que se encaixe nesse perfil, podem me corrigir.
Mas, vamos analisar o restante da equipe de Luiz Antonio.
De maneira geral, o novo prefeito de Bayeux preferiu não mexer muito no secretariado municipal, dando a nítida sensação de que não pretende transformar de forma geral a performance da administração de Bayeux, como se chegou a anunciar e pensar. Desse modo, a composição do secretariado reflete um pouco disso, pelo menos em seu 1º escalão. A composição do 2º e 3º escalões não deverão ser diferentes. Ou seja, pouca coisa deverá mudar em Bayeux, pelo menos nesse aspecto. Consequentemente, Bayeux mudará muito pouco nesse quesito.
Um dos nomes que nós apostávamos com muita gente que permaneceria, ficou. Era o da secretária de Educação, Adriana Diniz. Ronaldo Luiz, também da gestão de Berg Lima (e vice-presidente do Podemos, em Bayeux), é seu adjunto. Ela ficou por conta de sua relação antiga com o todo-poderoso do PSDB na Paraíba, Ruy Carneiro, e consequentemente, também com o atual prefeito, Luiz Antonio. Além de seu trabalho à frente da secretaria, que reflete sua qualidade profissional. Qualidade essa que já falei aqui e em outros lugares a respeito, mas nós não estamos tratando aqui disso, mas sim de política, infelizmente. Adriana, como qualquer um outro, podia ser a melhor profissional do mundo, mas se não tivesse a relação política que tem com o prefeito e Ruy Carneiro, não estaria aonde está.
Além de Adriana Diniz, outros 11 nomes permaneceram em secretarias municipais, alguns como titulares, outros como efetivos. Alguns na mesma pasta, outros em locais diferentes. Na mesma pasta, ficaram (além de Adriana), Ediclê Travassos (Trabalho e Ação Social) e Paulo Sérgio Coelho (Segurança Municipal). Este, inclusive, é um sintoma explícito de que Luiz Antonio faz o mesmo que Berg Lima: promove a cooptação explícita do SINTRAMB quando o indica para a Prefeitura Municipal de Bayeux. Desloca Cariolando Félix para Secretaria de Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Turismo, além de Johannes Carneiro para Secretaria de Gestão e Controladoria. Bruno Sena permanece como Adjunto da secretaria aonde Cariolando é titular. Jeandro Dantas volta para a secretaria de Fazenda e Carlos César vai para a secretaria adjunta de Administração. Completam o time dos "antigos" Diego de França (IPAM), Evilson Braz (Procon) e Paulo Neto (agora Coordenador de Comunicação).
Sobre os novos, gostaria de tecer comentários sobre uma figura, conhecida na cidade de Bayeux e que foi colocada como adjunta na secretaria de Trabalho e Ação Social: Jacyara Mendes. O que vou dizer a ela vale para os demais que, assim, como Jacyara, estão na mesma situação que esta. No caso específico dela, Jacyara foi sondada para ocupar um lugar na equipe de Berg Lima, mas não aceitou. Afirmou, na ocasião, não ter acordo político (entre outras coisas) com o projeto político defendido pelo então prefeito de Bayeux. Agora, contudo, integra a nova equipe municipal de nossa cidade. Quero, antes de mais nada, do fundo do coração, desejar boa sorte a Jacyara nessa sua nova caminhada. Mas, lembrar a ela que o projeto político de Luiz Antonio é, também, o projeto político de Berg Lima pois ambos foram eleitos na mesma chapa, na mesma eleição, pelo mesmo povo, defendendo em praça pública e no mesmo tribunal eleitoral as mesmas ideias. Assim, não é de se espantar que, apesar do palavreado diferente de Luiz Antonio em relação ao ex-prefeito Berg Lima (em alguns aspectos), as ações, em especial na composição de seu secretariado, as semelhanças sejam muito parecidas, quase idênticas.
No que diz respeito ao palavreado, como afirmamos acima, o que foi dito por Luiz Antonio durante a posse do seu secretariado resume um pouco do seu pensamento político e de como ele deverá atuar à frente da Prefeitura Municipal de Bayeux, de agora em diante. Ao afirmar que pensa a Prefeitura com os olhos de quem vem da "iniciativa privada" e, por isso,  pretende "implantar no município uma gestão de resultados, por isso se faz necessário uma reavaliação semestral", Luiz Antonio revela que olha a administração municipal com a visão de um empresário, visando apenas o lucro, sem observar o lado social, que é a questão que a Prefeitura deve verificar. Não somos contra que o serviço público apresente resultados, mas estes resultados não podem estar vinculados a resultados (leia-se lucros), conforme à fala do novo prefeito de Bayeux.
Não percebemos, na fala do novo prefeito de Bayeux, nenhuma menção à redução salarial dos servidores comissionados e/ou contratados, ou até mesmo ao cumprimento (por parte da Prefeitura) da decisão judicial, de 21/03 deste ano, que determinou que a administração municipal nomeasse imediatamente todos os aprovados do concurso de 2012 para ocupar seus lugares, ao mesmo tempo que demitisse todos aqueles que estivesse ocupando esses lugares em Bayeux. Como Bayeux não cumpriu até agora, cabe ao novo prefeito fazer isso agora.
Começou a nova gestão municipal em Bayeux. Ela já começa com o carro em movimento, assim não tem muito tempo pela frente. Tem que dar muitas respostas em muito pouco tempo. Vamos esperar, mas precisamos de respostas. Rápidas!!!  
  

Rei morto, rei posto. A nova situação política em Bayeux!!!



A partir da histórica (e fatídica) data de 05 de julho de 2017, quando o então prefeito de Bayeux, Berg Lima (então Podemos), foi pego em flagrante recebendo de um empresário local, R$ 3.500,00, que a cidade da Grande João Pessoa está mergulhada na maior crise política que esta já viveu em seus 57 anos de emancipação política (fará 58 anos no próximo dia 15 de dezembro deste ano). No dia seguinte ao fato, o então vice-prefeito, Luiz Antonio (PSDB), assumiu interinamente o cargo de novo prefeito da cidade, em posse concorrida, na Câmara Municipal da cidade.
Na sexta-feira passada, 14 de julho do corrente ano, o prefeito Luiz Antonio exonerou todos/as os/as secretários/as municipais da antiga gestão de Bayeux, deixando para anunciar na manhã de hoje, 18 de julho de 2017, o novo secretariado. E, ontem, na tarde de 17 de julho de 2017, o então prefeito Berg Lima, que já havia sido afastado do cargo pelo TJPB e está preso no 5º BPM, no Valentina, foi também por unanimidade afastado de seu cargo na Prefeitura, dessa vez por todos/as vereadores/as de Bayeux, que deram o sinal positivo ao pedido da denúncia formulado pelo vereador Adriano Martins (PMDB), dando início ao processo de cassação deste nessa Casa Legislativa. Logo após essa votação, foi feita uma outra, aonde foi escolhida a Comissão Processante, que foi composta pelos vereadores Lico (PSB), Roni Alencar (PMN) e Netinho (PSD). Essa Comissão, segundo o regimento da Câmara, terá até 90 dias para entregar um parecer para ser votado pelos demais vereadores/as da Casa. Neste período, deverão ser arrolados testemunhas a favor e contra o ex-prefeito Berg Lima, que também poderá se defender. 
Para completar o inferno astral de Berg Lima, também nesta segunda-feira à tarde, 17/07, a executiva estadual do seu partido, Podemos, se reuniu e decidiu por expulsá-lo de seus quadros por "não ter outro caminho", segundo o presidente estadual da legenda, o deputado estadual Janduhy Carneiro, aquele que foi acusado de ter sua esposa empregada na Prefeitura de Bayeux por Berg Lima, quando prefeito da cidade.
Como afirmamos no título do artigo, rei morto, rei posto. Berg Lima caiu, Luiz Antonio agora é, definitivamente, o prefeito de Bayeux. Hoje, 18 de julho de 2017, ele anuncia seu novo secretariado. Isso dará o novo perfil da gestão municipal e, consequentemente, a "cara" que Luiz Antonio quer dar à nova administração municipal em Bayeux. O que nos resta, nesse momento, é aguardar e ver o que nos espera daqui pra frente. Mas, continua valendo o que afirmamos na Carta Aberta que fizemos, recentemente, ao novo prefeito Luiz Antonio (http://antonioradical.blogspot.com.br/2017/07/carta-aberta-ao-novo-prefeito-de-bayeux.html).   

segunda-feira, 10 de julho de 2017

A "unidade" entre PT e PSB em Bayeux




Recentemente, nas últimas eleições municipais, ocorrida em outubro de 2016, em todo o país e também em Bayeux, PT e PSB marcharam em campos opostos. O primeiro (PT) participou e apoiou, desde a primeira hora, o candidato Berg Lima, do então PTN, incluindo uma ampla aliança eleitoral, donde participava não apenas o PTN e PT, mas também legendas de direita, como PR, PTC, PTB, PHS, PPS, a legenda de verniz de "esquerda" REDE  e o tucano PSDB, que tinha o vice na chapa, Luiz Antonio. Já o PSB, partido do governador Ricardo Coutinho em nosso Estado, tinha candidatura própria, o então prefeito da cidade, Expedito Pereira, que tentava na ocasião seu quinto mandato à frente da Prefeitura local, também comandando uma ampla aliança, que incluía partidos de direita, como PMDB, PSD, PSL, DEM, PRB, PV, PMN, PSC, PP, PRP, e os representantes da "esquerda oficial", PDT e PCdoB. Haviam outras candidaturas, mas essa era a polarização que se dava em Bayeux, na campanha eleitoral do ano passado. E, nesse aspecto, PT  e PSB estavam (aparentemente) em campos opostos, como se pode notar.
Afirmamos aparentemente porque, assim que venceu as eleições, com ampla maioria de votos e tomou posse, em 1º de janeiro desse ano, os dois partidos - PT  e PSB -, passaram a apoiar o novo prefeito de Bayeux, Berg Lima (agora Podemos), e seu vice, Luiz Antonio (PSDB). Já na campanha, haviam alguns questionamentos ao apoio dado pelo PT ao então candidato Berg Lima e, após sua posse, mais críticas à participação desse partido à sua integração à nova gestão municipal. Tudo por conta da presença do PSDB na composição da nova Prefeitura de Bayeux, afinal, todos/as sabem que os dois partidos (PT  e PSDB) são adversários ferrenhos em nível nacional, tendo duramente se enfrentado nas últimas eleições presidenciais, com Lula e Dilma e, mais especialmente, na recente eleição de Dilma. Quando esta ganhou, o PSDB com Aécio Neves à frente, iniciou um duríssimo processo de ataques ao PT e a seu governo, que culminou com o impeachment de Dilma Rousseff e toda essa crise que estamos assistindo em nosso país, desde então. Assim, por causa disso, PT e PSDB não costumam sentar-se à mesma mesa, como diz o dito popular. Porém, em Bayeux, isso foi quebrado na prática com a gestão Berg Lima. E contou com a presença do PSB, acompanhando o PT nessa empreitada política. Sendo que o PT estava no governo e o PSB, no Legislativo. Mas, ambos apoiando o governo Berg Lima na cidade de Bayeux. Era a unidade entre as duas legendas se confirmando na prática, abençoadas pela presença do PSDB no Poder Executivo, numa das maiores cidades da Paraíba.
Ao longo do mandato de Berg Lima, todos/as  começaram a perceber os inúmeros problemas que esta enfrentava na gestão, com vários setores,mas esta unidade parecia não se incomodar com isso e continuava, de certa forma, preservada. Até que chega o dia 05 de julho de 2017 e tudo muda de figura, não apenas em Bayeux e na gestão Berg Lima, mas também na relação dessas legendas com esta.
No dia seguinte ao "terremoto político"  que varreu Bayeux, com a prisão em flagrante de Berg Lima e seu imediato afastamento do cargo de prefeito determinado pelo TJPB, além da posse do vice-prefeito da cidade, Luiz Antonio, no cargo de prefeito, o PT de Bayeux anunciou, através de uma nota, que lamentava profundamente os acontecimentos recentes vivenciados em Bayeux e, após uma série de motivações expostos nessa nota, anunciava que estava se retirando da gestão municipal, com a posse do novo prefeito da cidade.
Neste sábado, 08 de julho do corrente ano, em declaração dada ao jornalista Anderson Soares, publicada em seu blog (http://blogdoandersonsoares.com.br/2017/07/08/kita-diz-que-psb-e-oposicao-ao-governo-interino-representamos-projetos-diferentes/), o presidente do PSB  de Bayeux, vereador Kita, afirmou que seu partido será oposição ao novo prefeito, Luiz Antonio, por conta de PSB e PSDB serem "adversários em nível estadual".
Até nesse momento, PT e PSB possuem unidade. Até recentemente, quando Berg Lima estava comandando a Prefeitura de Bayeux, apesar de todos os ataques que sofria, seja da Câmara Municipal. seja da categoria dos servidores municipais, tanto PT quanto PSB defendiam e participavam dessa gestão, inclusive com cargos dentro dela. Agora, que seu principal chefe foi pego com a "boca na botija", preso em flagrante, recebendo dinheiro de um dono de restaurante local em troca de pagar dívidas da Prefeitura a esse empresário, os dois partidos se retiram da Prefeitura, porque "descobriram" que seus partidos são adversários do PSDB. 
Fica a pergunta: agora, PT e PSB de Bayeux entenderam que o PSDB é completamente diferente desses (pelo menos, em tese)??? Ou será que, com isso, pretendem enganar o povo de Bayeux, mais uma vez???
Ficam as perguntas. As respostas, o povo as dará!!!   

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Carta Aberta ao novo prefeito de Bayeux, Luiz Antonio (PSDB)!!!



No dia 28 de dezembro do ano passado, portanto antes de assumir o cargo de prefeito de Bayeux, fizemos um artigo nesse mesmo espaço, chamado "Berg Lima e a expectativa de todo um povo: o que podemos esperar???", onde fazíamos uma avaliação sobre a futura gestão de Berg Lima, que prometia mudança na forma de administrar e governar a cidade de Bayeux, gerando grande expectativa entre o povo de nossa cidade. Não à toa, o lema de sua campanha era "atitude por uma nova Bayeux". Foi dessa maneira que Berg Lima (antigo PTN, hoje Podemos) conquistou 58,92% dos votos válidos na eleição de 2016 ou exatos 33.437 votos do eleitorado de Bayeux, superando com folga o prefeito que tentava sua reeleição e o quinto mandato à frente da Prefeitura local, Expedito Pereira (PSB), junto com seu vice na chapa, Luiz Antonio (PSDB). Todos juntos numa grande composição política que reunia, além dos dois partidos, o PT, a Rede, PR, PHS, PPS, PTB e PTC. Como afirmávamos no artigo anterior, "um leque amplo e ao mesmo tempo bastante heterodoxo"!!!
Mostrávamos, na ocasião, a situação lamentável da cidade de Bayeux que Berg Lima encontraria no início de sua gestão, deixada por seu antecessor. E colocávamos também que Berg Lima não podia ser tratado como um "salvador da pátria", mas também afirmávamos que tal pecha era bem vista tanto pelo próprio quanto por alguns de seus seguidores, o que era ao nosso ver, muito perigoso.
Infelizmente, ao longo de seis meses de gestão, Berg Lima não conseguiu sequer sinalizar para o povo de Bayeux o que queria fazer na cidade, que mudanças queria promover pra valer na cidade que queria governar. Se é bem verdade que ele teve pouco tempo pra implementar seu projeto de governo, como afirmavam alguns de seus aliados, é bem verdade também que este teve tempo suficiente para apresentar neste período pontos do que pretendia fazer em Bayeux. Isso ele não fez, em momento algum!!!
Em 6 meses de governo, Berg Lima mostrou-se completamente perdido na Prefeitura de Bayeux. Inicialmente, envolveu-se em uma polêmica com os vereadores da cidade, para depois fechar um acordo "nebuloso" com boa parte destes, aonde até hoje não se sabe ao certo que tipo de acordo celebrou-se entre o Executivo e o Legislativo; depois, arrastou-se por meses na cidade a polêmica do pagamento dos servidores contratados na gestão anterior que não receberam o mês trabalhado de dezembro/16 e que a Prefeitura decidiu pagá-los através de um calendário de pagamento estipulado em três vezes, nos meses de março, abril e maio. Porém, a Prefeitura só pagou os meses de março e uma parte dos servidores do mês de abril, a outra parte de abril e os servidores que deveriam receber em maio ficaram na saudade; no meio dessas polêmicas, rolou também o caso da UPA, que fechou e abriu em dois dias a unidade de saúde pelo prefeito Berg Lima, depois de muita pressão popular.
Além de tudo isso, Berg Lima não reajustou os salários do pessoal de apoio e dos vigilantes municipais de Bayeux, isso sem deixar de cumprir uma lei municipal que garante o adicional de insalubridade dos agentes de saúde da cidade, o que obrigou essa categoria a entrar em greve por cerca de 20 dias até o prefeito acenar com o pagamento desse adicional e também com o pagamento de uma gratificação assegurada em lei, o PMAQ. Isso sem antes essas categorias realizarem uma paralisação durante três dias na cidade de Bayeux.
Por fim, sobreveio dois outros fatos nocivos à gestão Berg Lima nesses 6 meses de mandato. Um, foi o não pagamento dos 40% da primeira parcela do 13º salário dos servidores municipais da cidade. Quase ao mesmo tempo, veio a notícia, dada pelo TCE/PB, dos altos salários pagos pela Prefeitura a alguns servidores, inclusive contratados. Isso ajudou a acabar de vez com a credibilidade de Berg Lima, ainda mais depois que o ex-secretário da Indústria e Comércio do município foi à Câmara Municipal e renunciou à pasta, detonando com a administração central. 
Dias depois, especialmente no dia 05 de julho do corrente ano, vem a gota d'água para Berg Lima e sua trupe aliada: o empresário do restaurante Sal e Pedra, de Bayeux, orientado pelo Gaeco, grava toda a conversa que tem com o prefeito Berg Lima, aonde este é filmado recebendo cerca de R$ 3.500 de uma suposta propina, em troca de um pagamento de uma dívida que a Prefeitura de Bayeux teria com o empresário. Berg Lima, como se diz no popular, é pego com a "boca na botija" e preso em flagrante pelo Gaeco e levado para a Central de Polícia e vai dormir preso no 5º BPM, no Valentina, e afastado do cargo de Prefeito de Bayeux, conforme decisão judicial, tomada na noite de 05/07/17!!!
O que isso significa??? Algumas coisas. Primeiro, que a carreira política de Berg Lima acabou-se definitivamente. O Podemos, partido de Berg Lima e presidido no Estado pelo deputado estadual Janduhy Carniro, já anunciou que deverá expulsá-lo de seus quadros; segundo, é provável que ele perca também o cargo federal que conquistou no IFPB, donde estava afastado por causa da Prefeitura de Bayeux; terceiro, sua derrocada política é, ao mesmo tempo, o fortalecimento político de seu maior adversário, o ex-prefeito Expedito Pereira, que a essas horas, está vibrando de alegria (muito embora diga que não); por fim, a saída de de cena de Berg Lima faz entrar para os holofotes da política o seu vice, Luiz Antonio. E é sobre e para ele que dirigimos esta carta aberta a partir de agora.
Luiz Antonio é um velho conhecido na política de Bayeux. Já tentou, em outras vezes, ser candidato e já  foi candidato, mas sem sucesso. Nas eleições de 2016, com a saída de cena de dr. Francisco, que apontava como candidato do PSDB à sucessão de Expedito Pereira, levou este partido a se colocar como integrante da chapa vencedora, que tinha o jovem Berg Lima, do então PTN, na cabeça de chapa, e membro de uma composição bem eclética de chapa, onde incluía partidos díspares, como PT e PSDB, por exemplo, lado a lado.
Não conhecemos Luiz Antonio a fundo, mas temos informações de várias pessoas de que este trata-se de uma pessoa de fino trato, amável, que fala com todos/as, ou como todos/as falam, "gente do povo". Sendo isso verdade (e não temos porque desmentir as opiniões que nos dizem isso), não temos, em tese, do que falar sobre a pessoa Luiz Antonio. Mas, não estamos aqui para comentar sobre o ser humano Luiz Antonio, mas sim sobre aquele que vai administrar Bayeux daqui para a frente. Esse Luiz Antonio é o que nos interessa. Porque, se fossemos olhar a pessoa apenas, Berg Lima era uma grande pessoa, e olhem o que aconteceu. Com diz o dito popular, "quem vê cara, não vê coração"!!!
Politicamente falando, Luiz Antonio é PSDB, muito alinhado com Ruy Carneiro que, por sua vez, é aliado íntimo do senador Cássio Cunha Lima e do ex-prefeito de João Pessoa, Cicero Lucena. São com essas pessoas que o agora prefeito de Bayeux possui intimidade. Diante disso, queremos saber deste algumas coisas, extremamente importantes para que saibamos o perfil daquele que vai tomar conta de Bayeux a partir de agora.
Por exemplo, queremos que Luiz Antonio governe Bayeux e que não paire sobre a cidade os boatos que rondam sobre Santa Rita, de que Ruy Carneiro é quem realmente manda naquela cidade e não o prefeito eleito pelo povo, Emerson Panta, por sinal também do PSDB.
Queremos ouvir de Luiz Antonio suas ideias sobre os principais problemas de Bayeux, pois o povo de Bayeux ouviu e foi enganado por Berg Lima, mas quer agora saber o que o novo prefeito tem a dizer sobre tudo isso: educação, saúde, transporte, moradia, segurança, meio ambiente, servidores públicos, dentre outros assuntos.
Não se trata, aqui, de desconfiar de Luiz Antonio ou de quem quer que seja, mas na verdade de colocar para este que Bayeux merece ter um prefeito à altura e que respeita seu povo. Tomara que Luiz Antonio seja este prefeito!!!            
    

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Acabou-se a gestão Berg Lima. Acabou-se Berg Lima!!!



A cidade de Bayeux foi surpreendida na tarde desta quarta-feira, 05 de julho do corrente ano, com a notícia da prisão, em flagrante, do prefeito Berg Lima (Podemos), pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado), coordenado pelo promotor público Octávio Paulo Neto, que realizou a prisão por conta de uma denúncia feita por um empresário fornecedor da Prefeitura local, que estava sendo extorquido pelo prefeito, segundo relato. No momento da notícia, feita pelo site de notícias G1 (http://g1.globo.com/pb/paraiba/noticia/prefeito-de-bayeux-berg-lima-e-alvo-de-operacao-do-ministerio-publico-da-paraiba.ghtml), o prefeito Berg Lima estava se dirigindo à sede do Gaeco para ser ouvido e a assessoria da Prefeitura ainda iria se pronunciar sobre o fato.   
No sábado passado, 1º de julho, Berg Lima celebrou 6 meses de mandato de uma gestão conturbada (para dizer o mínimo), cheio de controvérsias e denúncias, com irregularidades como o não pagamento dos reajustes salariais de algumas categorias, como o pessoal de apoio e vigilantes desde janeiro desse ano, o não pagamento dos 40% da primeira parcela do 13º salário no mês de junho aos servidores da ativa, o escândalo dos altos salários pagos pela Prefeitura a alguns funcionários municipais e a existência de alguns servidores "fantasmas", denunciados na Câmara Municipal pelo ex-secretário da Indústria e Comércio, Ramon Acioli, além do mau funcionamento de várias estruturas municipais, como os PSF's espalhados pela cidade (com a falta constante de medicamentos básicos à população e ausência de médicos), e a ocorrência de uma greve de cerca de 20 dias dos agentes de saúde e uma paralisação de três dias de vigilantes e pessoal de apoio. Sem falar na existência de 5 (cinco) membros da atual direção do SINTRAMB na gestão municipal de Berg Lima, comprometendo a atuação desse sindicato.
Não custa relembrar que Berg Lima foi eleito, em outubro passado, com uma votação expressiva em Bayeux, significando a vontade majoritária do povo da cidade em renovar a política municipal, mas sobretudo querendo botar pra fora a velha política existente na cidade, representada pelo ex-prefeito Expedito Pereira (PSB), que tentava na ocasião seu quinto mandato à frente da Prefeitura da cidade. Berg Lima foi eleito, portanto, levando consigo a esperança de todo um povo de que agora, Bayeux "tinha jeito", como ele mesmo gostava de afirmar.
Passados pouco mais de 6 meses de mandato, eis que Bayeux é sacudida por um furacão tremendo, que atende pelo nome de EXTORSÃO cometida por um prefeito que, embora novo na idade, mas velho nas práticas e já envolvido na teia da corrupção assistida por milhões de pessoas todos os dias na televisão e nas redes sociais, cometidas pelos mais diversos políticos. 
A decepção, frustração e quaisquer outros adjetivos semelhantes para com a ATITUDE de Berg Lima nesse caso são merecidos. Porém, não devemos esmorecer. Devemos, isso sim, acreditar na força de nosso povo, trabalhador, honesto e decente. Esse povo, homens e mulheres, jovens e idosos, que acordam cedo para ganhar a sua vida, merecem (e continuarão merecendo) todo nosso respeito e por eles continuaremos nossa trajetória de luta. Sempre!!!   

CSP Conlutas PB lança nota sobre caso de violência contra mulher!!!




O MACHISMO DIVIDE A CLASSE, É PRECISO COMBATÊ-LO!
Solidariedade à Vanessa, por um tribunal dos trabalhadores para apurar o caso!!!


Na semana de organização da Greve Geral contra os violentos ataques do governo de Michel Temer e sua quadrilha à classe trabalhadora, através de suas contrarreformas, ocorrida no dia 30 de junho, em todo o país, e também na Paraíba, o movimento sindical, popular e estudantil foi surpreendido pelas redes sociais com uma gravíssima denúncia vindo de uma companheira, de nome Vanessa Lima, que relatou publicamente (daí o motivo de publicizarmos seu nome) a agressão violenta sofrida por esta, motivada por um militante conhecido e reconhecido por boa parte da militância local, da Consulta Popular, chamado Gleyson Melo, um dos mais importantes de tal organização.
         A companheira citada fez questão – e, na nossa opinião, agiu corretamente – de publicizar tal violência nas redes sociais, com relato e fotos da violência por ela sofrida, exibindo fotos da agressão que ela sofreu, bem como do ambiente destruído pelo militante citado, na ocasião. Lamentamos (para dizer o mínimo), que um militante de tradição tenha cometido tal ato contra uma mulher e que sua organização, em nota pública sobre o fato, tenha se restringido a afirmar que cabe à companheira “a formalização das acusações” e que ao agressor “responder às acusações relacionadas ao fato no tempo e no espaço adequados”. A Consulta Popular, corretamente, afastou das atividades da organização o militante Gleyson Melo durante o período das acusações, mas isso não é o suficiente. É preciso apurar, verificar todos os fatos objetivamente e punir de maneira exemplar para proteger a companheira e educar o conjunto de nossa classe, pois ninguém pode falar em nome da liberdade oprimindo os outros.
         A CSP Conlutas quer, neste momento, se solidarizar com a companheira Vanessa Lima e envia essa carta para exigir uma apuração dos fatos, assegurando o direito a todos os envolvidos a se expressarem e punição exemplar no caso frente à evidente violência. Estamos acompanhando o caso, esperamos uma decisão breve, mas desde já defendemos e nos colocamos à disposição para ser parte de uma comissão do movimento de trabalhadores, composta por movimento de mulheres e entidades dos trabalhadores para julgar o caso e aplicar medidas frente ao lamentável episódio. Não podemos permitir que este caso passe impune, sob pena de avalizarmos mais uma agressão à mulher, o que em nenhuma hipótese deve ser considerado entre nós!!!
         Nossa central reafirma seu compromisso em seus núcleos na defesa, na promoção e na participação social das mulheres e, com isso, exigimos justiça, respeito, dignidade e vida: machismo nunca mais!!!

Paraíba, julho de 2017.